sábado, 30 de abril de 2011

Saboroso Devocional de Maio


- Mãe, se Deus é tão poderosão, como é que ele pode ficar tão perto da gente?
Ela, pensou que ia complicar a cabeça do filho se tentasse responder, até porque ela se via tão cheia de dúvidas sobre tudo isso. Então, somente o abraçou forte, em carinhoso silêncio. O pequeno esperou um instante. Logo, voltou a falar:
- Entendi.

Quando penso em mãe (minha mãe ou qualquer mãe), lembro de colo e acolhimento. A mãe nos guarda e aguarda por nove meses e, logo que deixamos seu útero, nos colocam em seu colo, para que nos sintamos acolhidos, mesmo sem nada entender. A mãe estende os braços e nos abraça forte quando as palavras não teriam efeito. Com seus gestos, elas aprendem e nos ensinam muito sobre o amor. "Amor só de mãe", diz uma frase bem batida e preconceituosa que circula fácil por aí. Não, amor não é só de mãe. Mas é verdade que elas são magistrais na arte de amar. Tanto que o salmista se referiu ao cuidado de Deus como o de uma mamãe pássaro:


Pois ele te livrará da arapuca do caçador de pássaros, da peste que destrói.
Nas penas dele te esconde, e debaixo das asas dele terás refúgio...
Sl 91:3-4a

O amor de nossas mães pode nos lembrar que é possível investir no amor, que ele é real e, com isso, sabemos também que Ele é real. Se não houver amor, nada faz sentido. Obrigado, então, mães, por ajudarem a convencer o mundo de que há, sim, amor!

Fragmento de uma oração (junte este caco com outros e construa sua prece):

Deus querido, obrigado pelo amor que o Senhor deixa evidente pelos gestos de tantas mães espalhadas pelo mundo. Ensina-nos a vivenciarmos sempre, ainda que não sejamos mães, um amor assim tão profundo, não somente pelos nossos filhos, mas por todos os teus filhos, nossa família.

Cesar M. R.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário