quinta-feira, 28 de junho de 2012

Retirando postagens

A partir de segunda-feira, começarei a retirar as postagens do blog. Se alguém quiser copiar alguma, faça-o antes.

Um abraço,

Cesar

terça-feira, 26 de junho de 2012

Fim do blog . Última postagem

Depois de mais de um ano de escrivinhamento, encerro este blog.
Espero ter produzido algo de útil em algum momento para alguém.
Espero ter incomodado e feito pensar.
Espero ter feito alguma diferença.
Se não fiz nada disso, paciência! Afinal, é só um blog!

Um abraço!

Cesar

terça-feira, 29 de maio de 2012

Neutralidade diante da injustiça



"Se você é neutro em situações de injustiça,
você escolhe o lado do opressor."
Desmond Tutu
Arcebispo Anglicano - África do Sul


"E que opressão há? Será mesmo opressão?" - Dirá o teórico em prol da manutenção do comodismo, que traveste seu discurso como contrário ao comunismo, esse nódulo histórico que nos impede de odiarmos a avareza e a injustiça social sem sermos rotulados com alguma ideologia. E enquanto discutimos, o teórico e eu, os injustiçados pela maldade se multiplicam, a fome ceifa milhares, a prostituição infantil alicia enormes tropas de esqueléticas e empoeiradas vidinhas de infância perdida nas beiras das estradas, a autoridade abusa do pobre, o dinheiro da saúde vira dígitos em contas particulares em paraísos fiscais que produzem verdadeiros infernos fecais em postos de saúde públicos.
"E que opressão há? Será mesmo opressão?"
Se fosse com você, teórico, você não perderia tempo perguntando. Mas é com o outro, e, em seu joguinho tolo de palavras, você esqueceu que amar é mais importante.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Belo Horizonte pode ser uma cidade turisticamente atraente?

                                                                                               Praça da Liberdade - Foto Wikipedia


Eu não sou turismólogo nem nada do tipo. Mas como todo mundo que gosta de viajar, um dia, acabo pensando na seguinte pergunta: “Se eu não tivesse nascido na minha cidade, será que eu ia querer vir fazer turismo aqui?” Daí, resolvi escrivinhar este texto.

Vamos lá. A primeira dificuldade que se encontra é o fato de que, geralmente, nós, mineiros, estamos acostumados com a ideia de turismo de sol e mar. Por isso, é difícil pensarmos em viajar para cidades do interior do país. Eu mesmo, cheguei a duvidar que viria para cá um dia (se não morasse aqui desde sempre), quando constatei que me falta ânimo para desbravar outras capitais desprovidas de mar. Depois, contudo, percebi que eu acabaria passando por aqui sim, como muitos que realmente passam, de caminho para cidades históricas.

Não é que Belo Horizonte não tenha o que se ver. E até que há coisas interessantes, como o recém gestado Circuito Cultural da Praça da Liberdade, o Museu de Artes e Ofícios, o Conjunto Arquitetônico da Lagoa da Pampulha (A Casa do Baile – onde ninguém mais dança -, A Igreja de São Francisco de Assis – tem missa lá? -, o Museu de Arte da Pampulha, anteriormente cassino – que vale a visita pela arquitetura, não pela arte, já que a coleção nada tem de importante- e o Iate Tênis Clube – que tem tênis mas não Iates! - tudo projetado pelo bom e velho (!) Niemeyer), entre outras coisinhas. Contudo, acontece que tudo isso pode justificar uma ou duas diárias por aqui de alguém que esteja de passagem, mas não chega a ser motivo uma viagem demorada e, por vezes, trabalhosa de ônibus ou avião.

A capital mineira está, a meu ver, fadada a ser um pouco parasita em questão de turismo. Acho melhor assumirmos esse papel logo de vez e usufruirmos o melhor possível dele. Se conseguirmos convencer cada turista que visita outra cidade nas redondezas a passear um ou dois dias por aqui, já teremos um avanço.

E quando se trata das redondezas, temos sim grande vantagem sobre muitas capitais. Qual a capital brasileira tem dois (2) patrimônios mundiais da humanidade em um raio de 100Km? Pois é. Temos o Santuário do Bom Jesus, em Congonhas do Campo, e a cidade histórica de Ouro Preto. Pro norte, um pouco mais longe, encontra-se a cidade de JK, Diamantina, cujo centro histórico também é patrimônio mundial da humanidade reconhecido pela UNESCO.

Falando em políticos do passado, se o turista quiser ir um pouco mais longe, a cerca de 200Km daqui, ele encontra São João Del Rei, terra do Tancredo Neves. E, ali perto, um pouco tímida e não tão afeita a grandiosidades políticas, está Tiradentes (um xodó de cidade no meio das montanhas!).

Claro, nem só de história vive Minas e os arredores de BH. Pertinho daqui, no município de Brumadinho, está o afamado Instituto Inhotim, uma mistura de gigantesco jardim botânico com monumental museu de arte contemporânea. Bem, é um lugar afamado e caro. A entrada custa R$ 28,00! E nem pense em fazer piquenique porque é proibido. E saiba que o almocinho lá é ainda mais oneroso que a entrada. Enfim, é pra quem gosta mesmo de arte contemporânea.

Se o interesse é só a parte natural do lugar, procure opções mais alternativas, como passeios por um dos muitos parques de BH (o Mangabeiras é o melhor), ou dê um pulo na Serra do Cipó ou no Santuário do Caraça.
É claro que no texto é mais fácil fazer esses deslocamentos. E aí está um grande problema que acho que devia ser resolvido. Essas atrações nas redondezas tinham que ser conectadas de modo mais prático para o turista. Quem não puder alugar um carro vai ter sérias dificuldades de locomoção. Tente ir de Congonhas do Campo para Ouro Preto de ônibus sem voltar a BH! Tente ir de Ouro Preto a Tiradentes direto! Dá uma dor de cabeça!

Outra necessidade urgente é uma maior agilidade e atenção quando a questão é preservação e uso adequado das áreas verdes. Em prol de um suposto desenvolvimento do turismo, tudo pode ser derrubado aqui para a construção de hotéis, sobretudo em tempos de Copa do Mundo. Mas uma cidade é boa quando o turista tem um parque verde, uma praça, perto do hotel para descansar depois do almoço, ou para cruzar de caminho a um ponto de interesse. Disso já é bastante o que foi dito. Vamos pro final.

Belo Horizonte devia assumir o papel de parasita e porta de entrada para outros lugares de vez e investir em facilitar a vida do turista no transporte dentro da cidade (para que ele se anime a circular um pouco) e, em parceria com o Estado, no transporte interurbano (para que ele continue passando por aqui e não busque outras rotas). Imagina só se você chegasse a BH pelo aeroporto de Confins (o maiorzinho daqui, mas ridículo se comparado ao de outras capitais até menos prósperas), pegasse o ônibus chamado Conexão (A única solução boa dos últimos anos! Acreditam que em algumas cidades o aeroporto é longe assim e não oferecem esse tipo de serviço a preço justo?) até o centro, pudesse se hospedar em um hotel e passear por BH um ou dois dias, para, depois, tomar um trem que te levasse até Congonhas do Campo e, de lá, até Ouro Preto, e, de lá, até Tiradentes! E, depois, voltar de trem até uma estação de metrô, que te deixaria na rodoviária, de onde você tomaria o Conexão de volta ao aeroporto! Tudo bem, estou pensando que essa joça é Europa. Transporte é boa parte das preocupações de um turista econômico.

Enfim, até que, se comparada com outras cidades latino americanas turísticas e louvadas entre os brasileiros que viajam para o exterior (estou pensando em uma específica, aquela, mas não posso dizer, pois algum amigo de lá poderia ler, sabe?) Belo Horizonte ainda é bem cuidada, tem boa jardinagem, capricho e tudo. Isso agrada quem já veio e aqui está, mas não motiva a vir quem ainda está longe.

Se o turista vier e não gostar, pelo menos pode comprar um queijo. O canastra de São Roque de Minas é o melhor. Vende no Mercado Central de Belo Horizonte.

Abraço,

Cesar

P.S. Belo Horizonte é cidade grande e desorganizada como todas do Brasil. Não espere encontrar hospitalidade mineira aqui. Isso você só encontra nos esconderijos da genileza, em pequenos distritos de pequenas cidades. Dizem que há vestígios de tal presença em lugarejos como Milho Verde, em Diamantina, e Santo Antônio do Leite, em Ouro Preto. É que, na verdade, Belo Horizonte não é tão mineira como já foi. É uma metrópole com trânsito horrível, fumaça de ônibus e gente apressada. Mas tem suas ilhas de tranquilidade, cultura e humanidade.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

A nudez da srta. Dieckmann e o desvelamento da canalhice

Confesso que mal consigo associar o nome Carolina Dieckmann a um rosto. Provavelmente, isso se deve a minha pouca exposição à teledramaturgia brasileira. Mas muita gente, hoje, consegue relacionar o referido nome a partes menos evidentes do corpo. Por quê? Pois é...

É que roubaram as fotos da cidadã e as divulgaram na internet. É que após quatro dias da notícia divulgada, os jornais diziam: "mais de oito milhões acessaram fotos de Dieckmann em quatro dias". Caramba! Não é que eu me assuste com a quantidade de gente querendo ver gente pelada. O que assusta é como a ética se suspende quando o desejo e a curiosidade se aguçam. Para mim, os responsáveis por esses dois milhões de acessos diários são tão canalhas quanto os que roubaram e divulgaram as fotos! Não acha? Vamos transpor o incidente internético para o âmbito concreto. Um canalha faz um buraco na parede do banheiro da sua casa e vê sua filha, esposa, irmã ou mãe tomando banho. Daí, conta pra todo mundo da rua sobre a possibilidade de espiar a nudez. Depois de uns dias, a vizinhança quase toda espiou. Esses que espiaram sabendo que a mulher que se banhava não queria ser espiada não são também uns canalhas?

Então, a diferença é grande. Vamos continuar com essa transposição proposta. Olhar pelo buraco escondido na parede no banheiro é o que fazem os que espiam a srta. Dieckmann, que não queria se mostrar ao público. Ir a um cabaré com show de nudez, com uma mulher que quer se expor por um motivo ou outro, é o que fazem os que visitam sites para ver mulheres que receberam dinheiro para tirar a roupa em ensaios fotográficos. É claro que, do ponto de vista cristão, também essa atitude é altamente condenável, porque trata-se da utilização do ser humano como coisa e de entrega de si mesmo à lascívia. Contudo, o caso de Carolina Dieckmann revela não só um desrespeito à ética cristã ou entrega ao pecado por parte dos curiosos, mas também um total desrespeito ao direito de escolha da mulher, que declarou sentir-se violada pela atitude dos hackers. Uma multidão se aglomera em fila junto ao buraco escondido no banheiro. Sabem que a mulher rejeita a exposição. Mas continuam ali, desrespeitosos, canalhas. Eles deixam a curiosidade e o desejo triunfar sobre a civilidade, a ética e o respeito a outro ser humano.

Enfim, é isso que acabei pensando diante das manchetes e notícias. Agora, a coisa complica, poir começam a chegar notícias de que estão divulgando as fotos por meio de invasões em sites públicos.

"Parece não haver limites para a irracionalidade humana. E com certeza não haverá limites para a justiça de Deus" F.S.

Abraço,

Cesar

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Raiz cortada

Morreu Tinoco. Viveu muito. Cantou muito. Mas sua falta será sentida, até mais, por isso mesmo. Num Brasil tão cheio de falta de cultura, tão profundamente repleto de superficialidades, vulgaridades e falta de sentido, a tristeza do jeca é a tristeza de todo aquele que já não tem esperança em um futuro cívico mais iluminado, menos brutal e animalesco.


segunda-feira, 23 de abril de 2012

Deus (que não é gay, mas muito paciente), três infelizes idiotas e a boa resposta de uma paróquia católica

Vi no UOL e julguei por bem compartilhar, sobretudo pela boa resposta da paróquia agredida (aliás, na verdade toda a comunidade cristã e todos os que valorizam o estado de direito foram agredidos).

Três frases escritas de vermelho na parede da Matriz da Igreja Católica chamaram a atenção da população de Santa Helena, cidade localizada na região Oeste do Paraná e que tem pouco mais de 23 mil habitantes: “Deus é gay”, “Pequenas Igrejas, Grandes Negócios” e “fuck the religions”. As pichações foram feitas na porta de entrada, o local onde centenas de católicos do município celebram e fazem suas orações. Os vândalos também fizeram o símbolo da cruz de ponta cabeça, e um símbolo do anarquismo.
A ação dos vândalos ocorreu na noite da última quinta-feira (19). Com a ajuda da população, a Polícia Militar local agiu rápido e prendeu os três suspeitos de terem praticado o ato de vandalismo.
Segundo o Portal Correio do Lago, "L.A.S., 19 anos, foi o primeiro detido e depois foram detidos M.J.O. e E.R.S. Segundo informou o sargento Botini, comandante local da PM, no depoimento eles alegaram consumo de bebida alcoólica, influência disso e insatisfação com a vida para praticar o ato de blasfêmia contra a igreja", publicou o site. Os três foram ouvidos e liberados, pois responderão a acusação em liberdade.
A Paróquia Santo Antônio se manifestou através de uma carta pública.
Leia a carta pública na íntegra.
“Ame o Senhor, seu Deus, com todo o seu coração, com toda a sua alma, com toda a sua força e com toda a sua mente; e ao seu próximo como a si mesmo”. (Lc 10,27)

A legislação brasileira dá o direito de expressão a todos os cidadãos, mas também exige respeito pelo patrimônio alheio, inclusive criminalizando atos de vandalismo e pichação.

Nesta manhã de sexta-feira os católicos de Santa Helena e porque não dizer, todas as pessoas de boa vontade, ao passarem pela Igreja Matriz Santo Antonio manifestam profunda indignação, reprovação e sentem-se ofendidos pelos atos de vandalismo que aconteceram ao longo desta noite de quinta para sexta, quando alguns elementos picharam a parede lateral da Igreja com ofensas à religião e a Deus.

Esses atos são considerados uma blasfêmia (do dicionário):

1. Ultraje a algo considerado sagrado, a uma divindade ou religião;
2. Palavras ofensivas e insultantes contra uma pessoa ou um objeto dignos de respeito).

Portanto, como Igreja Católica afirmamos:

1. A atitude dessas pessoas foi uma blasfêmia contra Deus, o criador de todas as coisas, e contra os católicos que usam este templo sagrado para as celebrações sagradas da comunidade e para seu encontro pessoal com Deus;

2. Como crime previsto na legislação, exigimos que as autoridades competentes investiguem o caso e dêem respostas a toda comunidade santa-helenense;

3. Esses fatos, como vários outros que tem sido corriqueiros em nossa cidade, são as consequências de uma sociedade que deixou os valores fundamentais de lado: valores da vida, do respeito ao próximo, da família, do amor a Deus;

4. Quando o ser humano é desumanizado naquilo que lhe é mais precioso – “ser imagem e semelhança de Deus” (Gn 1,26) qualquer ideologia: do poder, do dinheiro, da vaidade, do anárquico se avultam;

5.Por isso é urgente que a sociedade, a igreja, as famílias, os responsáveis pelos poderes públicos, os educadores de nossas instituições assumam esse papel de formadores da vida e das pessoas no cuidado dos valores que são fundamentais a todos: a vida, o ser humano em todas as suas dimensões, a liberdade religiosa e o respeito às manifestações de fé.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

As renúncias e os choramingos de pastor (série opiniões avulsas)


Todo mundo renuncia alguma coisa quando decide fazer outra. Claro! Se eu decidi ser o que sou e não investi em um de meus tantos sonhos de criança e adolescente (ser engenheiro florestal, ambientalista, oceanógrafo, professor de literatura brasileira, piloto de rally, ninja etc), isso se deve a alguma razão. As condicionantes das escolhas podem ser muitas. Mas a escolha está feita (até que eu queira de fato mudá-la, se houver tempo). Não posso acordar e reclamar que se eu fosse piloto de rally não teria que ficar enfurnado na frente do computador pesquisando meia hora sobre cultivo de azeitonas para traduzir uma pequena frase. Não posso olhar para meus parentes e ficar resmungando que se tivessem se mudado para o litoral eu poderia trabalhar com cavalos marinhos, tartarugas, baleias ou outras coisas mais emocionantes! Não posso, enfim, reclamar, sobretudo, do meu trabalho atual e culpá-lo por não ter escolhido as opções rejeitadas. Isso seria, no mínimo, um saco!

Mas parece que é costume de muitos pastores e líderes do meio gospel fazer algo semelhante. Não é por mal, mas tenho que comentar. Hoje mesmo, vi um pastor na tv dizendo que serve numa igreja aqui de BH com muito amor e que renuncia muitas coisas para estar com eles. Pra que cargas d'água ele tinha que falar que renuncia muitas coisas? 

Pois bem, é só um exemplo de um discurso que se multiplica por bocas e mais bocas. Até os ricassos pastores pop das megaigrejas fazem isso! Sim, e com lágrimas nos olhos dizem que entregaram suas vidas ao Senhor. Sim, ao Senhor e ao salário de vários milhares de reais que embolsam todos os meses, não é? E fazem isso em família até! Imaginem como rende! Bom, já mencionei o nepotismo eclesiástico e não é assunto para hoje.

O assunto atual é simples, é um pedido: Caros líderes, o choramingo não tem sentido algum! Parem com isso! É feio. É cansativo. Não leva a nada.

Eles até acham, talvez, que isso nos fará valorizar o trabalho que desempenham. Talvez, pensem que isso nos fará pagar um salário melhor com medo de que se arrependam de sua opção (isso quando não são eles mesmos que definem seus salários, como em algumas denominações!). Estão enganados. Todos fazemos escolhas. Todos renunciamos coisas. Todos! E se eles têm essa vocação e responderam positivamente a ela, não devem resmungar como se meio arrependidos, ou como se olhassem para trás invejando o que nem sequer se sabe se conseguiriam! Sim, alguns chegam a dizer: "Se eu não fosse pastor, estaria ganhando tanto no trabalho que eu teria!" E você sabe se teria trabalho? Qual trabalho? E, o mais importante, se você É pastor, se você se decidiu, por que ficar namorando a virtualidade de uma opção não tomada? Você está no presente real integralmente, ou seu coração está dividido entre o real e o virtual desejado secretamente?

Acho que uma boa resposta para esses choramingos seria: "Então desista do chamado, se está incomodado. Vá embora fazer outra coisa!" É o que eu gostaria de escutar se ficasse choramingando minha escolha com alguém. Caramba! Não vejo esse comportamento sendo louvado na narrativa de nenhum personagem Bíblico. Por que será? Certamente, porque aquele que faz a escolha pelo MELHOR não se sente atraído por outra coisa. E se eu me sinto atraído por outra coisa, como uma situação financeira virtualmente melhor, a ponto de ficar comentando sobre ela, é porque eu não considero o MELHOR tão MELHOR! Ou seja, ao tentar valorizar sua escolha e seu trabalho, louvando a própria renúncia, os pastores dão mostras de sua incerteza e até de uma possível incredulidade. Se eu escolhi o MELHOR (e o MELHOR, na minha cabeça, é justamente cumprir a vocação que me foi dada, seja ela qual for), eu tenho que me alegrar profundamente nisso e tê-lo como privilégio, deixando o que fica para trás - ou o que poderia ter sido - como um nada que só merece esquecimento, afinal, eu estou me envolvendo com o MELHOR! Quem saboreia uma pizza não fica de olho no pão velho, nem fica alardeando que abriu mão dele para ficar com a pizza!

E quantos o fazem! São muitos, quase todos! Por isso, se você, leitor, é pastor, não me leve a mal. Sei que você pode ter feito isso várias vezes. Em vez de se justificar, pense, reflita no conselho e, se julgar por bem, mude de comportamento. Inclusive porque a autobajulação não é virtude nem aqui nem lá na China (Isso é retórica. Na verdade não sei como isso funciona na China).

Bom, o desabafo de hoje é esse. Ah, sim, falta dizer que, enquanto pensava sobre isso, rememorei conversas com todos os pastores que conheci até hoje (batistas, luteranos, pentecostais, presbiterianos, metodistas e lá vai mais longe...). Para minha surpresa, o único de cuja boca não escutei esse tipo de choramingo é o meu atual pastor (há uns três anos é meu pastor). Fiquei feliz, pois acho que é prova de maturidade. Fico triste, contudo, quando percebo que todos os outros já choramingaram assim. Por que será que o fizeram? Alguns parecem tão comprometidos! Talvez o fazem por já ser costume reproduzido irrefletidamente. Ou será que ensinam isso nos seminários?

O caríssimo irmão Alberto, que muito bem escreve sobre liderança cristã, não abordou o choramingo no seu livro (acho que não). Alberto, fica, pois, a sugestão: falar sobre o líder choramingão!

Abraço,

Cesar,
sem choramingos, porque temos muito a fazer e pouco tempo para murmurar!


segunda-feira, 9 de abril de 2012

Eu não passaria na prova para Gari!!!!!

Este país é mesmo uma piada. Depois de anos e mais anos de estudo custeado pelo Governo Brasileiro, chego à triste conclusão de que eu não passaria em uma simples prova para Gari da cidade de Cambé, interior do Paraná. É trágico! Ou me formaram muito mal, ou essa prova é uma verdadeira aberração! Eu prefiro apostar na segunda alternativa, claro.

Veja algumas questões de "Atualidades" e teste seus "conhecimentos", ou melhor, sua "ignorância":


ATUALIDADES


Questão 31) A frase que deixou a personagem

“Valéria” famosa no programa Zorra

Total é:

A) “Ai, que louca que sou!”

B) “Ai, como sou mordida!”

C) “Ai, que loucura!”.

D) “Ai, como sou maluca!”

E) “Ai, como eu sou bandida!”


Questão 32) Assinale qual dupla sertaneja

que anunciou seu fim durante um show,

mas depois alegou ser um mal-entendido.

A) Bruno e Marrone

B) Jorge e Mateus

C) Fernando e Sorocaba

D) Zezé Di Camargo e Luciano

E) João Bosco e Vinicius


Questão 33) A cantora Paula Fernandes,

antes de se tornar famosa, participou de

uma novela da rede Globo de televisão chamada:

A) Uga Uga, de Carlos Lombardi.

B) Vale Tudo, de Gilberto Braga.

C) As Filhas da Mãe, de Sílvio de Abreu.

D) América, de Glória Perez.

E) Desejo Proibido, de Walter Negrão.


Questão 34) Jogador de futebol recém

falecido, que ficou famoso não só por

ser craque, visto como um intelectual libertário

no Brasil pós-ditadura e por liderar a “democracia

corintiana”, chama-se:

A) Biro Biro.

B) Garrincha.

C) Sócrates.

D) Toninho Cereso.

E) Ademir da Guia.


Questão 35) Escritor consagrado por

suas obras literárias, bastante conhecido entre

as crianças, pois se dedicou a um estilo

de escrita com linguagem simples onde realidade

e fantasia estão lado a lado. Pode-se

dizer que ele foi o precursor da literatura infantil

no Brasil, sendo uma das mais famosas

de suas obras o Sítio do Pica-Pau Amarelo,

que até hoje encanta muitas crianças e adultos,

trata-se de:

A) Orozimbo Nonato.

B) Oswaldo Aranha.

C) Monteiro Lobato.

D) Machado de Assis.

E) Maurício de Souza.


Questão 36) O STF, Supremo Tribunal

Federal, aprovou a aplicação de uma lei nas

eleições de outubro, tornando-se inelegíveis

os candidatos com condenações em segunda

instância, mesmo havendo possibilidade de

recurso, esta lei chama-se:

A) Lei da Honestidade

B) Lei da Improbidade

C) Lei da Política

D) Lei da Limpeza

E) Lei da Ficha Limpa


Questão 37) A dengue é uma praga

nos países de clima quente. A cada ano são

registrados 50 milhões de casos e 25 000

mortes. O agente transmissor desta doença

é o:

A) Aedis Egípcio

B) Aedes Egipt

C) Aedis Etílico

D) Aedes Aegypti

E) Aedis Agipidi



Questão 38) Fina Estampa é a primeira

novela totalmente ambientada no bairro

da Zona Oeste carioca, tendo como personagem

principal a Griselda, “heroína de bigode”,

conhecida como “Pereirão”. A atriz que

interpreta esta personagem é:

A) Deborah Secco.

B) Milena Toscano.

C) Bianca Salgueiro.

D) Lília Cabral.

E) Juliana Alves.



Questão 39) O craque de futebol

Cristiano Ronaldo que atua pelo Real Madrid,

ao comemorar com o lateral brasileiro Marcelo,

dançando a música de Michel Teló, após

fazer um gol contra o Málaga, pelo Campeonato

Espanhol, fez com que a coreografia virasse

febre nacional e mundial. O nome da

música que inspirou o craque chama-se:

A) “Ai se eu te aperto”.

B) “Ai como sou esperto”.

C) “Ai delícia”.

D) “Ai se eu te pego”.

E) “Delícia, delícia, assim você me mata”.



Questão 40) A Seleção Brasileira de

Futebol é o time nacional do Brasil de futebol

masculino, gerido pela Confederação Brasileira

de Futebol (CBF), que representa o país

nas competições de futebol organizadas pela

CONMEBOL e pela FIFA. É o time mais bemsucedido

de futebol na história das Copas do

Mundo, sendo a seleção nacional que mais

vezes conquistou o Mundial com:

A) três títulos.

B) quatro títulos.

C) cinco títulos.

D) seis títulos.

E) sete títulos.


Veja a prova completa aqui: http://www.funtefpr.com.br/images/arquivos/cambe/0012012/resultado/provas/GARI.pdf

segunda-feira, 26 de março de 2012

Padre Pop de Divinópolis atrai multidão com suas palestras

Padre "pop" tem estrutura de espetáculo para receber fiéis

Fonte: http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=199179,OTE

DIVINÓPOLIS. Era dezembro de 2007 quando o padre Chrystian Shankar chegou a Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas. Dois anos depois, começou a celebrar as missas temáticas, chamadas de Missa da Família, onde abusa de piadas, gírias e contação de casos para pregar seus ensinamentos religiosos. Na primeira delas, somente 40 fiéis ocupavam os bancos do Santuário de Nossa Senhora Aparecida. Passados três anos, a celebração ganhou estrutura de espetáculo: atrai gente de toda parte e hoje tem média de público de 15 mil fiéis. O número de pessoas, para se ter ideia, é superior ao de bandas badaladas, como o Monobloco, que no mês passado reuniu 10 mil pessoas na praça da Liberdade.

A reportagem de O TEMPO acompanhou, na última quarta-feira, à Missa da Família. Enquanto os 13 mil espectadores se acomodavam nos assentos da igreja, uma equipe de 300 voluntários se desdobrava para cuidar dos detalhes da celebração. As tarefas são bem definidas, e cada grupo fica por conta da sacristia, acólitos (que auxiliam o padre), acolhida, dízimo, barraquinhas, cozinha, infraestrutura, ornamentação, filmagem e foto. "É um batalhão", compara o padre Chrystian Shankar.

Como a igreja fica pequena para receber os católicos, o padre e seu batalhão usam um imóvel ao lado, com duas quadras de esporte, como anexo para acomodar os fiéis. Ao todo, 4.000 banquinhos são espalhados ali, na área externa da paróquia e na rua. Mesmo assim, falta espaço. Para que todos consigam ver e ouvir os ensinamentos do religioso, quatro telões reproduzem o que acontece no altar.

As imagens feitas em alta definição e o som estéreo são captados por câmeras profissionais. Antes mesmo de a missa acabar, uma equipe de voluntários segue para um cômodo nos fundos da quadra para gravar o áudio em CDs, que são vendidos no fim da missa por R$ 5. A cada celebração, cem cópias são distribuídas, além de 600 DVDs a R$ 10, cada.

O fluxo cada vez maior de pessoas por ali também chama a atenção da Polícia Militar, conforme informa o soldado Guilherme Vaz. "Começou a juntar muita gente desde 2009, e tivemos que trazer maior efetivo para evitar o furto de veículos". Mesmo evangélico, o militar aprova a postura do padre que conta piadas nas missas. "Dá para aproveitar alguma coisa. Ele passa uma mensagem de paz e amor", diz.

Já houve dias em que PM contou 800 motos ao redor da igreja. Todas as quartas-feiras, 1.500 veículos disputam as concorridas vagas nas ruas. Nos fundos da capela, barraquinhas vendem comida para alimentar os fiéis. Só de espaguetes, são vendidos 400 por noite.

O comércio ao redor também agradece. Desde que o padre Chrystian começou a celebrar suas missas, o bolso do comerciante José Eustáquio de Paula, 59, deu uma engordada. Sua sorveteria vende, no mínimo, 200 garrafas d’água por missa. "Fico com a loja aberta até a celebração acabar", diz.

Como acontece com artistas, o padre vem recebendo convites para fazer celebrações em outros lugares do país. Já foi ao Paraná, a Goiás, Rio de Janeiro e São Paulo. Agora, padre Chrystian tem viagem marcada para Manaus (AM) e estuda convite para realizar uma missa em Nova York.

Minientrevista
"Não namoro, mas tenho experiência."
Chrystian Shankar
Padre do Santuário Nossa Senhora Aparecida
 
Como o senhor decidiu ser padre? Desde que eu me entendo por gente que tenho vocação para ser padre. Minha alegria é pregar a palavra de Deus.

Por que o senhor celebra suas missas usando gírias, expressões e contando piadas?Jesus sempre contou parábolas com aquilo que o povo entendia: ovelha, trigo, joio, barro. Ele usava a linguagem do povo daquela época. Eu prego com a linguagem de hoje, da internet, YouTube e etc. É o que o povo entende.

E, de repente, suas missas ficaram lotadas?Sim. Começamos aqui há três anos com a Missa da Família, com 40 pessoas. Agora, são 15 mil.

O senhor dá conselhos amorosos. Se não é casado, de onde tinha experiência para isso?Sou padre, não namoro nem tenho mulher, mas frequento academia, faço trilha de moto e tenho uma experiência que a maioria não tem, que é o aconselhamento diário de muitas pessoas com o tema relacionamento. (RRo)

Comentário meu: Sem dúvida, o interessante nessa história é a diferença com relação a outros padres afamados. Este, diferente dos demais, não fez sucesso pela afinação musical, pela ginástica celestial ou divulgação global. O movimento surgiu pequeno no interior de Minas e está ancorado na fala do padre, além de ter sido divulgado, inicialmente, pelos próprios participantes. Um fenômeno interessante por sua peculiaridade. O mínimo que se pode dizer é que, em Divinópolis, nas quartas à noite, tem 15 mil pessoas a menos vendo porcaria na tela da Globo, e, em vez de transformarem suas mentes em chiqueiros fedorentos, estão dispostas a tentar aprender algo que presta. Sintoma que dá esperança? Quem sabe?


terça-feira, 20 de março de 2012

O atropelamento vocabular do Jornal do SBT (e semelhante erro de muitos de nós)


Ontem, o Jornal do SBT (19/03/2012) apresentou, como todos os demais, uma reportagem sobre o atropelamento fatal de um ciclista em uma rodovia. O condutor, como todos sabem, era o filho do brasileiro mais rico na atualidade. Em dado momento, a reportagem mostrava uma testemunha ocular, um habitante que também transitava pela estrada. Ele disse que viu quando o ciclista, que estava trafegando em linha reta pela direita da estrada, foi atropelado pelo carro do jovem que vinha em alta velocidade fazendo uma ultrapassagem. Essa era a versão da testemunha que, coincidentemente, coincidia com a de outra testemunha mostrada no Jornal da Band. Contudo, logo a voz da jornalista disse: "Mais tarde, Eike Batista DESMENTIU essa versão e afirmou que o ciclista estava cruzando a estrada e que ele sim havia agido com irresponsabilidade." Ora, o senhor ou a senhora jornalista afirmou que a testemunha que se dispôs a conceder mais cedo aquela entrevista MENTIU. Não se pode DESMENTIR o que não é mentira. DESMENTIR não é simplesmente "apresentar versão diferente" ou "contradizer". DESMENTIR é retificar uma MENTIRA com a VERDADE. (Ou será que o senhor ou a senhora jornalista não percebeu o sentido da palavra que usava? Bem, é possível, pois costumam trabalhar sob pressão do tempo.) A questão, aqui, é só uma: O pai de um suspeito de irresponsabilidade é mais confiável que uma testemunha ocular menos envolvida no assunto? Não? Então, de onde é que tiraram que a palavra de um senhor era a verdade e a do outro a mentira? Qual foi o critério? Qual a diferença entre esses dois seres humanos falantes e no valor do que falam? A diferença básica e mais óbvia é o poder econômico (e isso dispensa comentários).

A palavra de um rico vale mais que a de um pobre? É mais considerável, respeitável ou digna de atenção? O argumento de um pobre perde força se contraposto à qualquer fala de um rico? É óbvio que gostaríamos de responder negativamente. Contudo, a realidade nos ensina que há diferença e que é enorme. E isso acontece em todos os lugares, em todos os tempos e templos. Sim, não é diferente nas igrejas. Também nas comunidades eclesiais se verifica o peso da influência econômica no valor dos argumentos. Dinheiro vale mais que reflexão, argumento, ponderação, coisinhas tão sem valor, tão em desuso quanto o estudo da Palavra de Deus.

Uma pena.

Para concluir, uma historinha que se encontra no livro de Eclesiastes:

13Também vi este exemplo de sabedoria debaixo do sol, que me pareceu grande:
14Houve uma pequena cidade em que havia poucos homens; e veio contra ela um grande rei, e a cercou e levantou contra ela grandes tranqueiras.
15Ora, achou-se nela um sábio pobre, que livrou a cidade pela sua sabedoria; contudo ninguém se lembrou mais daquele homem pobre.
16Então disse eu: Melhor é a sabedoria do que a força; todavia a sabedoria do pobre é desprezada, e as suas palavras não são ouvidas.

E não é verdade?

Abraço,

Cesar

sexta-feira, 16 de março de 2012

Confusão entre santos em BH

Fiéis oram para santo trocado em hospital de BH

Por quatro décadas, pais aflitos em um hospital no Funcionários rezaram para São Tarcísio diante de uma imagem que, na verdade, era de São José. Padres dizem que preces foram ouvidas
Gustavo Werneck -
Publicação: 16/03/2012 06:00Atualização: 16/03/2012 06:39

SÃO JOSÉ - Esposo da Virgem Maria e pai de Jesus. Nas esculturas dedicadas ao santo, ele está quase sempre com o menino nos braços. Carpinteiro de profissão, São José tem o seu dia comemorado em 19 de março e é o protetor das famílias e dos artesãos. Em Minas, há muitas representações do santo, como o famoso São José de Botas, que usava, simbolicamente, o calçado durante a fuga para o Egito durante a perseguição do Rei Herodes. Na Arquidiocese de BH, há muitas igrejas e capelas dedicadas ao santo. (Euler Júnior/EM/D.A PRESS)
SÃO JOSÉ - Esposo da Virgem Maria e pai de Jesus. Nas esculturas dedicadas ao santo, ele está quase sempre com o menino nos braços. Carpinteiro de profissão, São José tem o seu dia comemorado em 19 de março e é o protetor das famílias e dos artesãos. Em Minas, há muitas representações do santo, como o famoso São José de Botas, que usava, simbolicamente, o calçado durante a fuga para o Egito durante a perseguição do Rei Herodes. Na Arquidiocese de BH, há muitas igrejas e capelas dedicadas ao santo.

A fé do povo não tem limites e vale até acender vela para um santo, pensando em outro, que o efeito é o mesmo. Portanto, quem rezou para São Tarcísio de olho em São José pode ficar tranquilo que está livre de qualquer represália teológica – é o que dizem os padres. Durante mais de quatro décadas, uma imagem branca, com 61cm de altura, esteve em destaque no antigo hospital infantil São Tarcísio, na Rua Gonçalves Dias, 1608, cujo prédio foi restaurado para se tornar o Centro de Arte Popular Cemig (CAP), novo equipamento do Circuito Cultural da Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. A curiosidade é que somente com as obras no edifício, os especialistas do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha) descobriram que, na verdade, a escultura era de São José, padroeiro das famílias e dos artesãos, e não do protetor dos coroinhas das e crianças.

Diante do achado e posterior pesquisa iconográfica, a data de inauguração do CAP não poderia ser outra: 19 de março, segunda-feira, às 10h, “dia de São José”, afirma o diretor de Conservação e Restauração do Iepha, Renato César de Souza. Segundo ele, é procedimento de rotina que o restauro seja acompanhado de estudos para aprofundar os conhecimentos sobre o bem, não apenas contemplando as técnicas e materiais construtivos, mas também trajetória, autorias etc. “Muitas vezes, nesses momentos, pode vir à tona uma série de novas histórias e revelações à nossa memória”, diz Renato, lembrando que há outros casos em Minas com descobertas surpreendentes..

Projetado em 1928 pelo arquiteto Luiz Signorelli, responsável por outras construções na capital, o prédio em estilo eclético da Rua Gonçalves Dias teve uma série de usos, como residência, convento e hospital particular, de 1970 a 1985 e a partir de 1980, unidade do Instituto de Previdência do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) – ao longo do tempo, conforme a serventia, o imóvel sofria acréscimos e ganhava anexos. Tombado pelo Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural Municipal (CDPCM-BH), ele recuperou a arquitetura original, a partir do projeto aprovado pelo Iepha, responsável ainda pelo acompanhamento e fiscalização. As intervenções, que custaram R$ 7 milhões (R$ 1, 5 milhão da Cemig e o restante do governo estadual), envolveram do restauro à implementação de estrutura moderna e adequada para instalação de obras de arte. O projeto foi o último desenvolvido pela dupla de arquitetos Janete Ferreira da Costa, falecida em 2009, e Acácio Gil Borsoy. Na manhã de ontem, no ateliê do Iepha, na Praça da Liberdade, o restaurador Thiago Botelho dava os últimos retoques na imagem, que chegou ao local com resquícios de uma pintura azul.
SÃO TARCÍSIO - Nascido em Roma, viveu entre os séculos 2 e 3 e é padroeiro dos coroinhas e das crianças. Tem seu dia comemorado em 15 de agosto. Pertencia à comunidade cristã de Roma. Durante a perseguição aos cristãos, muitos deles foram presos e condenados à morte. Na véspera de numerosas execuções de mártires, o Papa Sisto II não sabia como levar a eucaristia à cadeia. Foi então que o coroinha Tarcísio, de 12 anos, se ofereceu para realizar a tarefa. No caminho, morreu apedrejado, pois levar a
SÃO TARCÍSIO - Nascido em Roma, viveu entre os séculos 2 e 3 e é padroeiro dos coroinhas e das crianças. Tem seu dia comemorado em 15 de agosto. Pertencia à comunidade cristã de Roma. Durante a perseguição aos cristãos, muitos deles foram presos e condenados à morte. Na véspera de numerosas execuções de mártires, o Papa Sisto II não sabia como levar a eucaristia à cadeia. Foi então que o coroinha Tarcísio, de 12 anos, se ofereceu para realizar a tarefa. No caminho, morreu apedrejado, pois levar a "hóstia", mesmo na forma de pão, era considerado ato de bruxaria.

Não há uma explicação, de acordo com os especialistas, para a troca dos santos. Uma das versões é que, como se tratava de um hospital infantil, a imagem de São José estaria de bom tamanho, pois, com o Menino Jesus nos braços, é o protetor das famílias. Mas o mais indicado seria homenagear Tarcísio, o menino romano que viveu entre os séculos 2 e 3, morou nas ruas e é muito pouco divulgado no Brasil, diz o padre Rogério Eustáquio Fernandes, titular da paróquia dedicada ao santo no Bairro Nova Cintra, na Região Oeste de BH. “Não há o menor problema de rezar para um santo pensando que é outro. É tudo bem socializado”, brinca o pároco, esclarecendo que há uma comunhão dos santos, uma unidade, então não há problemas”. O pediatra Guy Freire Jannotti, de 79 anos, um dos sócios do antigo hospital, acredita que a imagem tenha pertencido à freiras do Cenáculo, que ocuparam anteriormente o prédio. Bem humorado, ele também está convencido de que não há problema em confundir os santos.

Surpresas

Durante obras de restauração, os especialistas podem se deparar com pinturas artísticas ou estruturas arquitetônicas escondidas sob camadas de tintas e reboco. Em 2006, na última reforma no Palácio da Liberdade, em 2006, foram achadas atrás das instalações sanitárias, ao redor do elevador principal, uma base de ferro com motivos florais. Isso indicava que toda a estrutura do equipamento havia sido construída para estar exposta. Nas abóbodas da varanda central foram descobertas pinturas decorativas originais, encobertas por três camadas de tinta branca.

Saiba mais centro de arte popular

No Centro de Arte Popular, serão expostas obras de artistas populares de regiões de Minas e do Brasil. O edifício tem quatro pavimentos, com ateliês para oficinas, auditório multiuso, café, loja, biblioteca, videoteca e quatro salas de exposições de longa duração. O acervo reúne cerca de 800 peças, grande parte delas pertencente ao estado, e outras resultado de empréstimo. A exposição inaugural terá 360 peças que retratam as diferentes expressões de arte criadas pelo homem e inclui desde as manifestações dos primeiros habitantes da região, com as pinturas rupestres, até os grafismos urbanos contemporâneos. Haverá também a mostra temporária Atos de fé, da colecionadora Maria Zahle Penna, de Tiradentes, no Campo das Vertentes, que apresentará, pela primeira vez, oratórios, santos e ex-votos do séculos 17 ao 19.

sexta-feira, 9 de março de 2012

A cor do refrigerante fica bonita, mas dá câncer. Vale a pena?

Responsáveis pela fabricação da Coca-Cola e da Pepsi terão de informar no rótulo riscos à saúde nos EUA

Fonte: Jornal O TEMPO - http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=146098

Os responsáveis pela fabricação da Coca-Cola e da Pepsi terão de alterar a composição do corante caramelo dos seus refrigerantes. A decisão foi baseada na legislação da Califórnia, nos Estados Unidos, que obriga as empresas a incluir nos rótulos das bebidas com certas doses de substâncias cancerígenas essa informação.
A Coca-Cola e a Pepsi controlam cerca de 90% do mercado norte-americano de refrigerantes. As alterações na composição da Coca-Cola e da Pepsi, que começaram a ser feitas na Califórnia, vão ser ampliadas para todo o país. Mas a expectativa, segundo analistas, é que se estenda para os outros países.
Representando a empresa Coca-Cola nas negociações com a Justiça da Califórnia, Diana Garza-Ciarlante disse que a companhia determinou aos fornecedores de corante caramelo que modifiquem o processo de fabricação do produto.
O objetivo da medida, segundo a Coca-Cola, é reduzir a substância química denominada 4-metilimizadol – apontada como uma ameaça à saúde. De acordo com Garza-Ciarlante, a empresa tomou a iniciativa, apesar de acreditar que não há risco para a saúde pública que justifique a alteração na composição da Coca-Cola.
A associação norte-americana que representa a indústria das bebidas informou que a Califórnia adicionou o corante à lista de substâncias cancerígenas sem provas que associem o seu consumo ao aparecimento da doença.
AGÊNCIA BRASIL
Meu comentário: Há poucos dias, publiquei a notícia de uma tese de doutorado defendida na UFMG que deixa provado que há sim relação entre as antenas de telefonia celular instaladas em BH e o número de casos de câncer na região. Agora, vejo essa notícia e fico pensando: Se nós sacrificamos nossa saúde em prol do "bom" sinal de celular, por que não haveríamos de sacrificá-la em prol de uma cor bonita? E dizemos que somos evoluídos.

quinta-feira, 8 de março de 2012

HOJE NÃO É DIA DA MULHER

Não. Nada mais machista que um "dia da mulher". Dia do índio, dia da consciência negra, dia do diabético, dia do idoso... Os "dias" são criados para as minorias (ainda que numericamente maiores) oprimidas. Não. Mesmo não sendo mulher, eu me recuso a comemorar um dia chamado "dia da mulher". Este não é um dia feliz, uma migalha com creme recebida com contentamento. Não. É um dia triste, que lembra que ainda é preciso lutar para que as mulheres sejam respeitadas como seres humanos dignos. Sim, é "dia de luta pelos direitos da mulher". Dia triste, pois lembra que a luta ainda é necessária e, talvez, até mais urgente que antes.

Vivemos um tempo em que, apesar de todo desenvolvimento tecnológico e de todo aparato jurídico, a brutalidade impera e a violência se avoluma. Isso se percebe em todo tipo de relação interpessoal. E não deixa de acontecer, com certa dose de crueldade, nas relações entre muitos homens e suas respectivas esposas, que eles prefeririam chamar logo de escravas.

Este é dia de luto. E será dia de luto, até o dia em que não for mais necessário. E isso acontecerá quando falecer a última mulher com a cicatriz da última violência doméstica praticada sobre esta terra. Essa última cicatriz virará pó. Só então, o dia será feliz e poderá ser esquecido, apagado do calendário.

Assim vejo este dia sombrio. Eu o vivo com a esperança de que se acabe para sempre. Mas o cotidiano de nossa terra não traz bons prognósticos. E a Igreja, muitas vezes, se cala. Por quê?

segunda-feira, 5 de março de 2012

Eles não querem que você saiba: Antenas de Telefonia Celular Causam Câncer, segundo Tese de Doutorado defendida na UFMG

Tese mostra correlação entre casos de morte por câncer e localização das antenas de telefonia celular


Ana Rita Araújo


Para evitar exposição prolongada às radiações eletromagnéticas, a engenheira Adilza Condessa Dode usa celular apenas em casos de extrema necessidade. A precaução decorre de estudos que desenvolve há cerca de uma década, com o intuito de descobrir os efeitos físicos, químicos e biológicos da radiofrequência nos seres vivos. Em tese defendida na UFMG, no final de março, Adilza Dode confirma a hipótese de que há correlação entre os casos de óbito por neoplasia e a localização de antenas de telefonia celular, em Belo Horizonte.

Por meio de geoprocessamento, a pesquisadora constata que a região Centro-Sul da capital mineira possui a maior concentração de antenas e a maior taxa de incidência acumulada de mortes por câncer. A menor taxa está na região do Barreiro, que também abriga o menor número de antenas instaladas.

“A poluição causada pelas radiações eletromagnéticas é o maior problema ambiental do século 21”, afirma a engenheira, que, em sua tese, recomenda a adoção, pelo governo brasileiro, do chamado princípio da precaução, aprovado na Conferência Rio-92. Segundo tal premissa, enquanto não houver certeza científica da inexistência de riscos, o lançamento de novo produto ou tecnologia deve ser acompanhado de medidas capazes de prever e evitar possíveis danos à saúde e ao meio ambiente.

Componente da banca que avaliou a tese de Adilza Dode, o professor Álvaro Augusto Almeida de Salles, do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), destacou que a pesquisa confirma resultados de estudos realizados na Alemanha e em Israel. “Com esse trabalho, Belo Horizonte coloca-se em uma importante posição na área”, comentou.

A pesquisa


Preocupada com a quase inexistência de dados sobre os efeitos de uma tecnologia que rapidamente se popularizou, Adilza Condessa Dode defendeu, em 2003, dissertação de mestrado orientada pela professora Mônica Maria Diniz Leão, do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFMG, em que provou a existência de sobreposição de radiação em áreas onde há antenas instaladas, o que causa contaminação eletromagnética.

Para o doutorado, trabalhou com a hipótese de relação entre mortes por câncer e a proximidade residencial com antenas – estações radiobase (ERB) – de telefonia celular. Adilza Dode realizou pesquisa em bancos de dados preexistentes, cruzando informações sobre óbitos, em Belo Horizonte, de 1996 a 2006, com informações populacionais fornecidas pelo IBGE.

Entre os 22.543 casos de morte por câncer, no período de 1996 a 2006, a pesquisadora selecionou 4.924, cujos tipos – próstata, mama, pulmão, rins, fígado, por exemplo – são reconhecidos na literatura científica como relacionados à radiação eletromagnética. Para processar essas informações, ela contou com a co-orientação da professora Waleska Teixeira Caiaffa, uma das coordenadoras do Observatório de Saúde Urbana de Belo Horizonte e do Grupo de Pesquisas em Epidemiologia da Faculdade de Medicina da UFMG.

Na fase seguinte do estudo, Adilza Dode elaborou uma metodologia inédita, utilizando o geoprocessamento da cidade, para descobrir a que distância das antenas moravam as 4.924 pessoas que morreram no período. “A até 500 metros de distância das antenas, encontrei 81,37% dos casos de óbitos por neoplasias”, conta a pesquisadora, professora do Centro Universitário Izabela Hendrix e da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais.

Ela comenta que, nos últimos anos, houve crescimento de casos de câncer de encéfalo no país, como atestam dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), e aumento no uso da telefonia celular. “Não posso afirmar que esta é a causa dos óbitos; mas qual é o fator novo nesse período? O fator ambiental que veio a público é a telefonia celular, não há outro”, analisa. Segundo ela, a literatura científica sugere a quem tem câncer e faz quimioterapia que evite exposição a campos eletromagnéticos.

Níveis seguros?


Há níveis seguros de radiação para a saúde humana? “Esse é exatamente o problema: até agora, ninguém sabe quais os limites de uso inócuos à saúde”, explica Adilza Dode, ao destacar que os padrões permitidos no Brasil são os mesmos adotados pela Comissão Internacional de Proteção Contra Radiações Não Ionizantes (Icnirp), normatizados em legislação federal de maio de 2009. Para a pesquisadora, esses padrões são inadequados. “Eles foram redigidos com o olhar da tecnologia, da eficiência e da redução de custos, e não com base em estudos epidemiológicos”, assegura.

Segundo o professor Álvaro Augusto Almeida de Salles, da UFRGS, também não existem pesquisas epidemiológicas que demonstrem os efeitos das ondas emitidas por equipamentos de wireless, wi-fi e bluetooth, que irradiam em níveis mais baixos, mas contínuos. “Somos cobaias de tecnologias que ainda não se mostraram inócuas”, sentencia.

Adilza Dode informa que os campos eletromagnéticos interferem, também, em equipamentos biomédicos. “Por isso, é necessário desligar o celular ao entrar em hospitais, e não se deve, de forma alguma, instalar ERB em área hospitalar”, adverte, ao lembrar que mesmo as pessoas que não usam celular recebem radiação emitida, de forma contínua, pelas antenas.
Ela informa que países como Suíça, Itália, Rússia e China adotaram padrões bem mais baixos que os permitidos pela Icnirp. E no Brasil, o município de Porto Alegre editou lei que define níveis de emissões de radiações similares aos da Suíça.

Em sua tese, Adilza citou diversos estudos internacionais que procuram compreender os efeitos dos campos eletromagnéticos. Um deles, o projeto Reflex, financiado pela União Europeia, realizado em 2004 por 12 laboratórios especializados em sete países, afirma que a radiação eletromagnética emitida por telefones celulares pode afetar células humanas e causar danos ao DNA, ao alterar a função de certos genes, ativando-os ou desativando-os. Outro estudo, realizado em Naila (Alemanha), constatou a incidência três vezes maior de câncer em pessoas que viveram em um raio de até 400 metros das antenas de telefonia celular.

Em Netanya, em Israel, outro estudo mostrou o aumento de 4,15 vezes na incidência de câncer para os moradores que residiam dentro de um raio de até 350 metros das antenas de telefonia celular. Há, ainda, pesquisas que apontam riscos maiores para crianças, devido às especificidades de seu organismo. “A penetração das radiações eletromagnéticas no cérebro das crianças é muito maior que no dos adultos”, destaca Adilza Dode, que já se prepara para começar nova etapa de estudos. Seu objetivo agora é medir os níveis de exposição humana às radiações eletromagnéticas nas residências das pessoas diagnosticadas com câncer.

Recomendações


“Não somos contra a telefonia celular, mas queremos que o Brasil adote o princípio da precaução, até que novas descobertas científicas sejam reconhecidas como critério para estabelecer ou modificar padrões de exposição humana à radiação não ionizante”, diz a pesquisadora
Em um capítulo de sua tese, ela lista uma série de recomendações. Entre elas, a de que o Brasil adote os limites já seguidos por países como a Suíça. Sugere, ainda, que o governo não permita transmissão de sinal de tecnologias sem fio para creches, escolas, casas de repouso, residências e hospitais; crie infraestrutura para medir e monitorar os campos eletromagnéticos provenientes das estações de telecomunicação e desestimule ou proíba o uso de celulares por crianças e pré-adolescentes.

Às indústrias, a tese recomenda a produção de telefones celulares com radiação no sentido oposto à cabeça do usuário, o investimento em pesquisa para descobrir limites seguros e a redução dos níveis de radiação emitidos pelas antenas. Aos usuários, Adilza sugere que não andem com celulares junto ao corpo; adotem a prática de envio de mensagens, evitando, ao máximo, sua proximidade ao ouvido; e afastem-se de outras pessoas ao recorrer ao aparelho. A autora aconselha, ainda, que cada prédio tenha área reservada para uso de celular, e que os moradores não aceitem a instalação de antenas. “Há uma crença segundo a qual o prédio onde se encontra uma antena de celular não recebe radiação. Isso foi desmentido por pesquisas recentes”, adverte a pesquisadora.

Tese: Mortalidade por neoplasias e telefonia celular em Belo Horizonte, Minas Gerais
Autora: Adilza Condessa Dode
Defesa: 26 de março de 2010,
junto ao Programa de Doutorado
em Saneamento, Meio Ambiente,
e Recursos Hídricos (Desa)
Orientadora: Mônica Maria Diniz Leão, professora do Departamento
de Engenharia Sanitária e Ambiental,
da Escola de Engenharia da UFMG
Co-orientadora: Waleska Teixeira Caiaffa, professora do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade
de Medicina da UFMG
Leia mais no site
www.mreengenharia.com.br




Meu comentário: Ironicamente, a reitoria da UFMG, há alguns anos, permitiu a instalação de uma baita antena dentro do próprio Campus. É uma antena disfarçada de pinheiro gigante. Coisa ridícula essa nossa sociedade que pensa no conforto e no lucro em primeiro lugar o tempo todo. Aliás, se a Igreja se manifesta sobre o assassinato dos humanos ainda não nascidos, isto é, sobre o aborto, não deveria se interessar também pelos assassinatos causados pela omissão comunitária em prol do "bom" sinal do celular?


sábado, 3 de março de 2012

Milton Schwantes está morto

Ele morreu no dia 1 de março. Decerto, muitos de meus leitores não gostam (ou não gostariam, se conhecessem) do trabalho do professor Schwantes. Eu mesmo, há pouco, discordei pontualmente de uma de suas leituras. Mas não há como negar que o volume da produção do pastor (IECLB) e professor (docente na UMESP, graduado pela EST e doutorado pela Universidade de Heidelberg) Milton Schwantes impressiona. Cá e acolá, da parte de católicos e evangélicos, no Brasil e no exterior, o que se lê é que morreu um dos maiores biblistas brasileiros. E pena que morreu ainda novo.

Nestes dias, então, o Brasil perdeu um grande lider da Igreja Anglicana, Robinson Cavalcanti, assassinado por um filho adotivo no Recife, e um grande biblista e pastor luterano, vencido por uma enfermidade.

Que Deus console as famílias de ambos e cuide para que suas ovelhas continuem bem pastoreadas.

O currículo do professor Milton Schwantes, que, apesar de impressionante, não reflete totalmente sua importância na vida de muitas pessoas, é o que se encontra neste link: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4795812D5

Abraço,

Cesar

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

O ser humano não foi criado para a perdição - Devocional de Sandro Sampaio

Ainda de férias do blog, transcrevo o devocional referente ao dia 27/02 no "Meditações para o dia a dia", da editora Vozes. O autor é Sandro B. Sampaio, de tradição presbiteriana.


"Vinde, abençoados por meu Pai! Tomai posse do reino preparado para vós desde a criação do mundo" (Mt 25,34)

O Reino de Deus já está preparado para todos aqueles que creram em Jesus e assumiram o projeto de Deus para o mundo, amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.

A estes o juízo final não é algo aterrador, pavoroso, cinematográfico, é a conclusão natural de tudo o que o Criador preparou para o bem da raça humana.

Mas, isto não significa que toda a raça humana estará enquadrada na categoria de "abençoados por meu Pai". Lamentavelmente, há também outra categoria, a de "malditos" (Mt 25,41), que são aqueles que rejeitaram o amor a Deus e ao próximo, e escolheram rejeitar o projeto de Cristo para si mesmos.

Apesar destas palavras duras, uma realidade chama a atenção em Mt 25: quando Jesus fala dos salvos, Ele declara que o Céu ou o Reino de Deus estava preparado para estes seres humanos "desde a criação do mundo"; já quando fala dos perdidos diz que o inferno não foi, originalmente, preparado para os seres humanos, mas foi "preparado para o diabo e seus anjos".

Isto é muito consolador; mesmo em meio a palavras tão duras e definitivas, vemos que Deus preparou para todos os seres humanos a bem-aventurança. Ele não preparou, portanto, a perdição para nenhum de nós. Isto quer dizer que todos podemos ser salvos, basta aderirmos a Cristo e seu projeto. A perdição só é o destino daquela pessoa que, livre e definitivamente, rejeitar a Deus e a Cristo.

Com isto em mente, abracemos a Cristo e sua proposta e levemos esta mensagem de esperança ao maior número possível de pessoas: Verdadeiramente Deus ama a todos!

Obrigado, meu Deus, por teu grande amor, mesmo que eu não o mereça, quero dele me apropriar. Por Cristo, amém!

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

O Jet ski desgovernado e um Brasil que não tem mais jeito

Nestes dias, soubemos da triste notícia de uma menina de três anos assassinada por um Jet Ski desgovernado. Assim descrita, a coisa parece estranha. Como um Jet Ski, que é uma coisa impessoal e, por conseguinte, carente de vontade própria, poderia assassinar alguém? Sim, a minha frase é paradoxal. Mas, com ela, quero observar que é mesmo paradoxal o modo como grande parte da imprensa brasileira costuma divulgar os "acidentes" que pululam por este país. "O carro ficou desgovernado" (Carro rebelde!). "Ele perdeu o controle da direção" (como se a "direção", a partir de então, fosse dada ao acaso, e tudo que tiver acontecido a partir daí é culpa do mesmo acaso.). "O caminhão perdeu os freios!" (Quem ajuda o caminhão a procurá-lo?). "Ele passou mal ao volante!" (Porque não tomou o remédio que sabia que tinha que tomar! Ou porque alguém a serviço do Detran foi descuidado ao conceder-lhe a renovação da carteira.) E por aí vai.

"Acidentes não acontecem", como disse um médico cansado de atender casos de trauma, "eles são causados". Totalmente verdadeira a afirmação. Acidentes são causados por pessoas que descumprem regras de operação, de segurança, de manutenção etc. E como, no Brasil, nós não somos dados à observação estrita de regras e procedimentos, os acidentes são causados abundantemente todos os dias. E isso continua a acontecer por um motivo simples. Na segunda feira de carnaval, pude escutar minha vizinha dizendo ao filho pequeno: "Hoje você vai ter que sentar na cadeirinha, porque tem polícia!" Lindo! O filho entende assim: "Filho, hoje, nós vamos cumprir a regra porque existe a possibilidade de sermos punidos, viu? Não vamos poder fazer como nos outros dias". A escola do desrespeito às regras começa cedo para os brasileirinhos.

Aliás, para os brasileirinhos que têm o direito de viver, pois outros tantos são assassinados por pessoas que, inocentemente, descumprem regras aparentemente bobas, por pessoas como certos pais que acham normal dar um Jet Ski a um garoto de 14 anos. "Afinal, o governo não percebe que é só um brinquedo?"

Não concordar com uma ou outra lei não é errado. O errado é o hábito de descumpri-las, em vez de lutar para que sejam mudadas. Se acham que o filhinho deveria usar o Jet Ski, deveriam manifestar-se a favor da mudança da lei e não ensinar o adolescente a ser mais um desrespeitoso.

Mas a maioria das pessoas fazem o mesmo que esses pais irresponsáveis. Escolhem leis para cumprir e outras para não cumprir. O sujeito acha absurdo se alguém estaciona na entrada de sua garagem. Briga! Exige seu direito! Esbraveja que é falta de respeito! Mas, logo que consegue sair de casa, não respeita a primeira faixa de pedestre que encontra. Cada um se julga no direito de fazer isso ou coisas semelhantes. E a bagunça se generaliza! Quer ver um exemplo vivo disso? Venha ver o trânsito de Belo Horizonte!  (Aliás, tem regras que os brasileiros fazem ser seguidas estritamente: aquelas famigeradas regras evocadas em processos judiciais que amenizam, anulam ou protelam as punições merecidas pelo descumprimento de outras regras!)

E a consequência é grave. Não só o Jet Ski, mas também o Brasil está desgovernado. E não é por culpa do governo, simplesmente. O problema é mais geral, é da população. Como governar um navio cujo timão não muda com precisão o rumo tomado?

A nau está quebrada. Um dia, afunda.

Salve-se quem puder! E nem digo "mulheres e crianças primeiro", pois ninguém respeitaria.

Abraço,

Cesar

P.S. Ainda de férias do blog, mas não resisti a escrever isso.


domingo, 19 de fevereiro de 2012

Bolo Liderança - Texto de Alberto Couto Filho

Ainda de férias do blog, aproveito para postar este precioso texto do amigo Alberto. Aproveitem!

 

BOLO LIDERANÇA

Com Sinergia Servidora

No preparo do Bolo Liderança você tem uma excelente oportunidade de empregar o seu talento criativo e de receber os mais sinceros elogios pelo muito de saboroso, salutar e fortificante que a sua ingestão educacional oferece.
O Bolo Liderança será servido não apenas em reuniões do tipo “café da manhã”, ou como quiserem seus apreciadores, “at break-fast”, mas também a qualquer instante como sobremesa indutiva de grande efeito espiritual/profissional, para influenciar agradavelmente tanto a neófitos empolgados, (recém-convertidos ou consagrados e recém-contratados ou promovidos) e a pessoas frustradas (discípulos desanimados e aprendizes decepcionados), quanto a pessoas indecisas (cristãos relutantes e profissionais inseguros) ou mesmo a pessoas de desempenho superior (cristãos vitoriosos e profissionais auto-confiantes), durante refeições comemorativas do sucesso obtido, mediante relacionamento eficaz entre líderes e liderados.
A bem da verdade o Bolo Liderança estará sempre sendo servido por todo o tempo em que ocorrerem interações entre as pessoas, num clima de cordialidade, respeito e amor, onde estará prevalecendo a autoridade legítima, nas relações de interdependência (distribuição equilibrada de poder e influência – relações de igualdade – equipes sinérgicas- o empoderamento).
O Bolo Liderança difere do Bolo Gerência quanto aos resultados obtidos pela sua aceitação. O que ocasiona tal diferença são os ingredientes principais usados em seu preparo. Enquanto o Bolo Gerência tem como principal ingrediente o Poder, gerador de irrestrita OBEDIENCIA, o Bolo Liderança, cujo ingrediente principal é o AMOR, acrescenta à OBEDIÊNCIA uma grande dose de MOTIVAÇÃO. Enquanto aquele consegue que as pessoas façam, este consegue que as pessoas desejem fazer.
Ingredientes:

Conhecimentos técnicos

QI

Inteligência Emocional

Prática de Delegação

Flexibilidade

Amor com motivação
Sinergia em suas quatro fases:

A – Interação

B – Entendimento Apreciativo

C – Integração

D – Implantação

Como preparar:
Pré-aqueça o forno da humildade a uma temperatura aceitável e unte uma fôrma (de conformidade com os objetivos traçados) de bolo com o QI, que envolva não só a capacidade intelectual, mas também os aspectos cognitivos, como: compreensão do todo, visão de longo prazo e bastante de domínio do contexto do segmento em que você atua;
O mesmo QI será batido com a Inteligência Emocional, ingrediente visto como a necessária capacidade de ombrear (trabalhar/comungar) com outras pessoas e conduzir quaisquer processos de mudança ou de transformação de vidas. É o momento de adicionar pitadas da prática de delegação;
Coloque agora o Conhecimento Técnico sobre a tarefa, misturado à Flexibilidade na escolha do estilo adequado ao nível de desenvolvimento (maturidade) das pessoas apreciadoras do Bolo Liderança e peneire sobre a mistura anterior. Adicione agora uma dose generosa de Motivação com muito Amor e misture tudo de forma tolerante, generosa e paciente;

Adicione o que resta do Conhecimento Técnico sobre relacionamentos a um pouco mais de Motivação (Não esqueça do Amor). Sacuda a organização, busque o comprometimento, fazendo com que todos admitam que a mistura produzida é o prenúncio de algo palatável, rumo à consecução dos objetivos; à Visão de Deus; rumo a eficácia e ao sucesso.
Transfira a mistura para a fôrma (conformidade com as metas) e leve ao forno da humildade. Em pouco tempo, a coesão e a unidade já poderão ser observadas;
Espalhe agora, sobre o Bolo, a Sinergia Servidora.
Primeiro a Interação – Defina com clareza as metas e assuma interdependência em relação ao sucesso; Comunique efetivamente entre si, com baixa distorção; Ouça ativamente (para compreender e não para avaliar) não só os fatos, mas também as percepções expressas na comunicação; Comunique de forma a gerar confiança e credibilidade recíprocas.
Agora o Entendimento Apreciativo– Crie um clima aberto, onde as diferenças possam emergir apropriadamente; Não precipite quaisquer pré-julgamentos negativos acerca de idéias, crenças, percepções, atitudes ou preocupações de outros; Crie ambiente de empatia mútua; Valorize a diversidade e saiba identificar características positivas nos pontos de vista de cada um;
É hora e vez da Integração –Saiba tolerar ambigüidades; Para apoiar o seu grupo, modifique seus próprios pontos de vista, comportamentos, etc; Procure gerar meios criativos de fundir diversas perspectivas em uma alternativa nova e mutuamente apoiada; Identifique mensagens e conceitos que não devem ser integrados.

E finalmente a Implantação, pois a receita do nosso bolo atende à principal missão da Liderança: Agenciar Mudanças; Transformar Vidas – Estabeleça planos específicos e mensuráveis de metas, objetivos e ações; Monitore o progresso da implantação e supra o necessário reforço para assegurar seu êxito; Implante a mudança a uma velocidade que satisfaça as necessidades legítimas de todas as partes envolvidas; Modifique, se necessário, o plano de implantação para assegurar sua relevância para as realidades correntes.
O Bolo Liderança está pronto; Estamos em festa; Comemoremos; Deleitem-se; Sirvamo-lo.
Alberto Couto Filho

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Nepotismo Eclesiástico - por pr. Luiz Fernando Ramos de Souza

Continuando meu período de férias do blog, apresento esse texto de um antigo pastor meu. Aliás, o primeiro de dois que escolhi na vida. Felizmente, tanto quanto o atual, é pessoa que não ignora a importância do conhecimento. Decerto, dele discordei muitas vezes (muitas, talvez, por imaturidade), e muitas mais agora, que já não sou batista há anos. Ainda assim, guardo lições importantes que aprendi com ele e, lendo o blog que ele escreve, lembro e noto que ainda tenho um pouco do pensamento dele permeando o meu no que se refere a alguns assuntos. Neste texto que apresento, ele trata de um problema que é até caricaturizado na experiência de igrejas gigantes como a Lagoa no Diminutivo, mas que também ocorre em outros cantos por aí. Deus nos livre. E você leia o texto!

Minha foto
este é ele (foto furtada do blog: www.ministerioforcaparaviver.blogspot.com)


Nepotismo (do latim nepos, neto ou descendente) é o termo utilizado para designar o favorecimento de parentes em detrimento de pessoas mais qualificadas, especialmente no que diz respeito à nomeação ou elevação de cargos. Originalmente a palavra aplicava-se exclusivamente ao âmbito das relações do papa com seus parentes, mas atualmente é utilizado como sinônimo da concessão de privilégios ou cargos a parentes no funcionalismo público. Distingue-se do favoritismo simples, que não implica relações familiares com o favorecido. Prática tão nefasta no serviço público que vem ganhando contornos de espiritualidade no meio cristão. Observo cada vez mais pastores praticando o nepotismo descaradamente. Fazem do ministério um meio de empregar seus filhos e parentes mais próximos. Vejo que o ministério pastoral virou um meio não um ideal de vida. Para tentar ter domínio sobre uma igreja consagra-se grande número de parentes e sem o menor constrangimento. Filhos de pastores que nunca souberam o que é trabalhar por uma hora sequer são consagrados a pastores para suceder seus pais quando estes deixarem o ministério. Muitas vezes filhos de pastores que possuem um passado conturbado, profano que precisa ser escondido de qualquer maneira, assumem púlpitos com ares de santidade e vasto conhecimento. Assumem igrejas de portes razoáveis e dizem que Deus os chamou para o ministério. Irmãos, sobrinhos, genros e o que mais aparecer assumem a liderança da obra de Deus sem ao menos terem sido provados pela vida, igreja e por Deus. Se as igrejas fossem consultadas sobre tais consagrações nunca teriam aprovado tais atos. Muitos consagram seus filhos e parentes ao ministério pastoral como se fosse um negócio que passasse de pai para filho. Tratam a sucessão pastoral como se fosse coisa hereditária. Isso não é dinastia onde os sucessores pertencem à mesma família. Tenho visto pastores chegando ao fim de suas vidas como Eli chegou ao fim da sua. Filhos que levam o povo de Deus ao erro e ao escândalo são alçados às lideranças e os pais com medo de submeterem a Deus a sucessão pastoral, usam do poder que lhes foi conferido para calar a voz da comunidade e da Bíblia. Sujeitam o povo de Deus a lideranças descaracterizadas e rudes e se esquecem que o Senhor é o Sumo Pastor. Não sou contra filho de pastor receber chamado ministerial. Sou contra essa tendência pernóstica que infiltrou no seio da igreja. Tal filho tendo um chamado ministerial que curse uma universidade, depois faça um mestrado e em seguida uma boa faculdade teológica. Que preencha os requisitos de I Timóteo e Tito, que não seja neófito, quem goze de bom testemunho dos de fora e a igreja local, em sua maioria, reconheça tal chamado. Anos atrás encontrei um pastor que havia cursado comigo o mesmo seminário. Ele me disse que havia insistido com seu filho para estudar e trabalhar, mas que o rapaz se recusava. Como última alternativa ele disse para o rapaz: “então vá ser pastor”. Logo em seguida me perguntou o que eu achava disso. Eu lhe respondi do jeito que a coisa veio: “Seu filho é tão desqualificado quanto você. Tal pai tal filho”. Virou mania no meio evangélico pastores dizer que existe uma unção especial sobre filhos de pastor. Outro dia, em uma reunião da ordem de pastores que freqüento, um pastor disse que Deus lhe havia dado uma revelação que todo filho de pastor era pastor. Nunca ouvi tal atrocidade como aquela. Revelações esdrúxulas e carnais como estas somente atrapalham o meio cristão. Tais revelações passam por cima da Revelação da Palavra. Filho de pastor que não for alcançado pela graça de Deus perecerá como perece o ímpio. Alguém já disse no passado: “Deus não tem netos, somente filhos”. Mas que o Senhor se apiede de nós pastores e nos dê a graça de conduzir nossos filhos ao pleno conhecimento de Cristo. Que a igreja possa se submeter ao soberano Senhor e aceitar suas decisões. Que nós pastores sejamos mais fieis no trato das coisas de Deus. Em Cristo que não faz acepção de pessoas.

Soli Deo Glória

Pr. Luiz Fernando R. de Souza