quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

lendo o livro do Alberto Couto Filho (Parte I)


Chegou-me por correio. Abri a embalagem e lá estava a capa já conhecida pelo blog do amigo Alberto. O título: "Vinde Após Mim" Jesus não disse: IDE Após Seus Líderes. Primeira folheada e... Bem, em princípio, fiquei meio ressabiado. Será boa leitura para mim? O que primeiro me preocupou foi o fato de que não lidero nem as formigas que cá andam. Não é um livro para líderes? Depois, me preocupou a diferença da tradição. Na bibliografia, reina a CPAD. O responsável pelo texto da contra-capa é diácono da A.D.. Os termos usados aqui e acolá também revelam um linguajar diferente para referir-se às coisas da igreja. Tá bom, mas o Alberto é amigo. Assim que tiver tempo eu leio - pensei.

Não tive tempo de sobra, mas encontrei momento para desbravar parte da obra. Terminei o segundo capítulo há poucos minutos. Eu estava errado. O livro é interessante para mim sim! Os dois motivos principais:

1) Gosto muito do estilo de escrita do Alberto. Ele poderia estar falando de navegação em alto mar que eu me interessaria.
2) O livro não serve só para líderes. Eu, que nada tenho com isso, fui rememorando experiências vividas por mim ou por pessoas próximas enquanto lia. Já passei por várias igrejas ao longo de toda a vida (embora tenha sido membro só de duas, a atual e mais uma, na qual fiquei por uns sete anos). Enfim, está sendo interessante reconhecer que, mesmo nas diferenças, as diversas igrejas compartilham de problemas semelhantes. Lembrei de situações desagradáveis, de erros dos outros e meus, ao ler o relato de problemas reais ocasionados por deficiências na liderança de igrejas. Claro, também lembrei de boas coisas, lendo os relatos de êxito.

Pois bem, voltarei a falar sobre o livro, mas já posso recomendá-lo a você. É só entrar no blog do Alberto para saber como adquiri-lo.  www.albertocoutofilho.blogspot.com

Mais um comentário. É claro que, ao ler, você começa a pensar também na sua própria comunidade. Na minha as relações de liderança são bem complexas, mais do que na maioria, talvez. Isso porque o pastor é líder no que diz respeito às coisas da Palavra (ensino, aconselhamento, correção teológica de tudo que se diz, culto etc.), mas a liderança referente às questões práticas, financeiras e de planejamento e estrutura (etc) está a cargo da diretoria eleita, que é composta pelo presidente, tesoreiro e secretário (com seus respectivos vices), nenhum dos quais pode ser pastor, e tem mandato de dois anos. Daí, o diálogo se torna imprescindível para tudo.

Bem, volto às obrigações.

Abraço,

Cesar

Um comentário:

  1. Prezamado Cesar,

    A paz de Cristo, o nosso Senhor!

    Estás com uma preciosidade em mãos.

    Já o possuo para relè-lo... relê-lo... relè-lo quantas vezes desejar.

    É o tipo do livro, que quanto mais se lê, mas se aprende.

    Incrível a exposição da matéria com o seu volume de páginas, manter o leitor ávido por sua característica necessária às lideranças que desejam, desenvolver-se como uma verdadeira LIDERANÇA.

    Aproveite a leitura deste maravilhoso livro que trás à luz, a conduta e a ação necessária ao momento em que vivemos na Nação Igreja.

    Aproveite e deguste este livro com o coração.

    O Senhor seja contigo,

    O menor de todos os menores.

    ResponderExcluir