sábado, 30 de julho de 2011

Devocional - Agosto


- Então, eu preparo a lasanha em Agosto!
- No mês de Agosto ou a gosto de Deus?


Essa brincadeirinha com as palavras já está muito difundida. Imagino que todos a conheçam. Lembrei-me dela porque chegamos a Agosto ao gosto do bom Deus. E teremos um mês tranquilo, sem muitas notícias ruins vindo de fora e de dentro de nosso país, se Deus quiser.

"- Se Deus quiser, e Ele quer!" - Responde alguém que se acha piedoso, mas que afronta o Soberano de modo prepotente. Afinal, quem somos nós para definir o que Deus quer com respeito a coisas gerais, cotidianas? Claro, algumas coisas nós sabemos que Ele quer. A Bíblia afirma literalmente que "Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação" (1Tes 4:3). Então, eu posso dizer: "Ele quer a nossa santificação". Nem preciso dizer "se". Mas com respeito a tantas outras coisas, não queiramos definir a querência de Deus. Ele não somente é um ser pessoal maduro (Estranha palavra para me referir ao Eterno. Tome-a como antropomorfismo.) com querência própria, mas é o único com uma querência absolutamente própria, que se estabelece independentemente de fatores externos. "Se Deus quiser". Nada de complementar essa bela frase com nossa vaidosa ansiedade humana ávida por definir as coisas a nosso gosto. No fundo, quem diz "E Ele quer" acaba se colocando no lugar de Deus, revelando sua própria vontade de se transformar em seu próprio deus e sua insatisfação com o fato de que há um só Verdadeiro Deus. "E Ele quer, porque eu quero que Ele queira e, no fim das contas, eu é que decido, porque eu sou Ele, eu sou meu deus" - É o que eles dizem de modo resumido, ainda que não percebam. Outro nome para isso? Egoísmo, uma "religião" que se alastra rapidamente e que é incompatível com o cristianismo.

Que seja a gosto de Deus. E eu confio que Ele tem para conosco pensamentos de bem, não de mal. E eu confio que esperar a vontade de Deus, mesmo que ela não me seja nítida neste momento, é melhor que me valer de meus próprios desejos afoitos e expectativas confusas.

Se Deus quiser, entenderemos a mensagem de Tiago (Tg 4:13-15).

Fragmento de oração (junte este caco com outros tantos e construa sua prece):
Senhor, ensina-me a confiar em Ti a ponto de ficar satisfeito com a expressão "Se Deus quiser", sem complementos. Sei que o Senhor quer o meu bem e, ainda que situações difíceis aconteçam e pareçam definitivas, farei o que me for possível e esperarei pela tua vontade. E, sobretudo, obrigado por ter querido perdoar meus incontáveis pecados por meio do sacrifício de Cristo. Isso é o mais importante e já está feito, embora eu não o merecesse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário