quarta-feira, 15 de junho de 2011

Omelética



Seu Moço é um desses amigos que aparecem justamente nos momentos em que preciso de alguém para conversar e estou sozinho. Hoje ele veio calado. Convidei para vir até a cozinha me ajudar a preparar algo rápido para comermos. Ele veio.

Quebrei dois ovos em um prato fundo e pedi que os misturasse com um garfo enquanto eu pegava outros ingredientes. Daí, ele puxou prosa:

- Fiquei sabendo que você pregou esses dias lá na sua igreja. Legal. - um breve silêncio e prosseguiu - O que você acha do momento da pregação no culto?
- Como assim o que acho? Acho importante.
- Importante como?
- Meu pastor uma vez comentou que se o culto tivesse que ser reduzido por algum motivo, não se devia cortar do sermão, pois seria como tirar um pedaço do bife para deixar o almoço mais leve.
- Você concorda.
- Você sabe que não como carne de boi. Então, a imagem fica estranha pra mim, mas concordo com a ideia, eu acho.
- Acha? Hum... E quanto tempo você acha que deve durar um sermão? Qual deve ser o tamanho do bife?

Não respondi de imediato. Tinha que prestar atenção para cortar a pequena cebola em mínimos pedaços e não queria que uma lasca do dedo fosse junto. Logo, continuei a conversa enquanto jogava a cebola nos ovos.

- Acho que deve durar o necessário, não mais nem menos.
- Necessário como?

Mais uma interrupção breve, para acrescentar a pequena dose incerta dos condimentos: molho de pimenta, azeite de oliva, sal e salsinha.

- O tempo necessário para transmitir a mensagem proposta de forma compreensível, didática.
- Difícil.
- Também acho. Mas acho que conseguimos... Continua mexendo aí.

Calei-me assim, abruptamente, porque, sempre que me desconcentro, exagero no óleo ao untar a frigideira. Aproveitei o silêncio para ligar o fogo. E continuei:

- É... acho que conseguimos se focarmos no nosso objetivo desde o começo. Antes de escrever a mensagem, precisamos ter claro em mente o que queremos ensinar, lembrar, fomentar. Despeja tudo de uma vez aqui na frigideira. Daí, é preciso manter o foco, pois ninguém consegue acompanhar um raciocínio muito complexo cheio de referências com fraca conexão. Acho importante que a mensagem conduza o ouvinte a uma compreensão, a algo específico. Precisamos procurar as ilustrações necessárias, mas sem ser redundantes demais. Ah, e quanto ao conteúdo, acho importante falar sempre do Evangelho de forma clara, enfatizar o perdão e a salvação pela graça, mas sem deixar de...
- E o queijo? Não vai usar não?
- É daqui a pouco. Depois que virar, senão a gente nem percebe que tem queijo, porque esse queijo minas meia-cura derrete completamente e rápido demais. Se fosse queijo de coalho eu teria colocado antes mesmo dos ovos, em tiras. Fica bom demais também. Mas pode trazer de uma vez. Pois é, no sermão tem coisa parecida. Acho até bom antecipar a conclusão já no título ou na introdução, mas o momento certo de apresentá-la na íntegra é no final. Deixo um gostinho no começo e, no final, a ideia fica completa na fala e na mente das pessoas. Daí eles pensam assim: “Ah, por isso ele falou aquilo. Entendi!”. E essa satisfação do entendimento não é enganação, porque ajuda a produzir entendimento de verdade.
- Título!? Você põe título em sermão?
- Virei, pode espalhar o queijo. Você não ouviu a parte mais importante do que eu falei, não é? Passa aquela tampa. Vou abafar pra derreter.
- Tá pronto?
- Tá.
- Então vamos deixar esse negócio de homilética pra lá, que eu tô é morrendo de fome e você nem pastor ou padre é pra entender desse negócio. Cadê os pratos?


10 comentários:

  1. Que maravilha. "ensinar, lembrar, fomentar" aprendi. Adorei. Paz querido.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita e por se juntar a nós, Rô. Deus abençoe sua vida sempre!
    Abraço,
    Cesar

    ResponderExcluir
  3. Deus te abençoe também. Gostei muito daqui, seu blog tem conteúdo e seus textos são ótimos.

    ResponderExcluir
  4. César, fiquei feliz em encontrar este blog mórmon, e gostaria de dedicar um poema.

    O Templo

    Lindo templo…
    No alto daquele monte,
    Onde são feito os convênios!
    Lindo, belo, sublime e imponente!
    Com um lindo querubim no centro…
    Eterno, singelo tão puro,
    Reflete a luz solar.

    De uma brancura total,
    Com uma torre e um sinal…
    Onde votos sagrados,
    Oferendas e concertos fazem parte!

    Majestoso, glorioso e sublime
    Bendiz e dignifica seu altar…
    Perfeição das perfeições,
    SANTIDADE AO SENHOR
    A CASA DO SENHOR
    O templo é para os filhos
    E para os demais mortais,
    Que se prepararam…

    Tempestades ameaçam…
    Trovões rugem, escurecem os céus…
    Subo ao monte, em sua direção…
    Ofegante, chego lá!

    E lá dentro do TEMPLO SAGRADO,
    O silencio é divisor entre mim e um véu!
    Cada canto do templo
    Representa um pedaço do céu!
    É profunda sua majestade…
    É sublime, é altivo e solene!

    Esse templo, dizem os anjos,
    É passagem para as regiões celestiais…
    Ao adentrar pelo pórtico principal,
    Querubins de ouro pedem,
    Uma senha e um sinal
    Simbolizando nossa entrada,
    Para a Paz Celestial…

    Obrigada e um abraço em nome de Jesus.

    ResponderExcluir
  5. Fico feliz por ter encontrado este blog mórmon (sou nova na igreja) e gostei dos assuntos e os textos.
    Dedico assim esse poema em homenagem a igreja do Senhor.


    O Templo

    Lindo templo…
    No alto daquele monte,
    Onde são feito os convênios!
    Lindo, belo, sublime e imponente!
    Com um lindo querubim no centro…
    Eterno, singelo tão puro,
    Reflete a luz solar.

    De uma brancura total,
    Com uma torre e um sinal…
    Onde votos sagrados,
    Oferendas e concertos fazem parte!

    Majestoso, glorioso e sublime
    Bendiz e dignifica seu altar…
    Perfeição das perfeições,
    SANTIDADE AO SENHOR
    A CASA DO SENHOR
    O templo é para os filhos
    E para os demais mortais,
    Que se prepararam…

    Tempestades ameaçam…
    Trovões rugem, escurecem os céus…
    Subo ao monte, em sua direção…
    Ofegante, chego lá!

    E lá dentro do TEMPLO SAGRADO,
    O silencio é divisor entre mim e um véu!
    Cada canto do templo
    Representa um pedaço do céu!
    É profunda sua majestade…
    É sublime, é altivo e solene!

    Esse templo, dizem os anjos,
    É passagem para as regiões celestiais…
    Ao adentrar pelo pórtico principal,
    Querubins de ouro pedem,
    Uma senha e um sinal
    Simbolizando nossa entrada,
    Para a Paz Celestial…

    Obrigada e um abraço

    ResponderExcluir
  6. Cara Rachel,

    Obrigado pela visita. Só uma coisa: este blog não é mórmon.
    Se você ler bem, vai perceber que creio somente na Bíblia como Escritura Sagrada inspirada por Deus. Creio na Trindade conforme a tradição cristã. Creio na salvação pela graça, pelo perdão concedido pelo sacrifício de Jesus Cristo na cruz.

    Abraço,
    Cesar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. César, então perdoe meu lapso.
      Mas isso de maneira nenhuma abala meu conceito e a impressão que tive de tão distinto e enriquecedor espaço.
      Mas então aproveitando minha passagem por aqui, e como sou nova convertida, gostaria que se pudesse, me tirasse uma dúvida. Dúvida essa que poucos ou quase ninguém foi capaz de esclarecer.
      O que causa o fenômeno das pessoas caírem pelo poder?
      Certa feita eu e minha filha fomos à uma igreja evangélica, e lá presenciamos algo bizarro, senão curioso.
      Uma pessoa dizendo-se missionário, jogava seu paletó sobre as pessoas, e elas caiam para trás como um monte de dominós!
      Certa feita, esse mesmo senhor assoprava em suas testas e elas também caiam aos montes. O que o senhor acha disso?
      É fruto de uma hipnose?
      Os crentes atribuem ao Espírito Santo.
      Médicos dizem ser transtornos de mentes que quando excitadas, externam suas psicoses, e acabam manifestando nesses locais. Ou seja, só precisa de alguém para induzi-las ou estimulá-las.
      Se puder responder agradeço.
      Obrigada.

      Excluir
    2. Rachel Rosa,

      Não tenho de que perdoar. Só quis deixar claro. E, como disse, você é super bem-vinda.

      Ah, eu também já presenciei esse tipo de fenômeno que tem sido comum em igrejas pentecostais.
      Tenho uma visão crítica sobre isso. No meu entender, a maioria dessas quedas se devem à indução. É preciso observar os cultos dessas pessoas para perceber. Sempre há uma música que deixa os participantes eufóricos. Sempre há uma pessoa que supostamente tem um poder (ou unção) especial. As pessoas eufóricas e completamente dominadas psicologicamente pelo esquema esperam que algo aconteça. Sem querer, elas colaboram com o show que já estava armado.
      Enfim, não acredito que isso tenha a ver com o Espírito Santo. Minha fé é centrada nas Escrituras (e enriquecida pelas leituras que delas se fizeram ao longo de dois mil anos de tradição cristã), e não encontro nelas nenhuma base para essas experiências.
      Acho que essas experiências escondem a verdade do Evangelho, que é o anúncio de que Jesus Cristo morreu pelos nossos pecados na cruz do calvário, e que, portanto, temos somente que crer e confiar nele para que tenhamos a salvação, sem a necessidade de sacrifícios pessoais ou intermediação de paletós, pastores, líderes ungidos etc...

      Um abraço,

      Cesar

      Excluir
  7. Prezado César, vim aqui através de outros blogs cristãos e estou tendo uma ótima impressão acerca das matérias tão bem tratadas dentro daquilo que imagino ser sério, sem fantasias, e sem menosprezo aos leitores que por ignorância ou não, lhe abordam com temas que para muitos ainda é tabu, ou está sob o véu do desconhecido, como por exemplo o assunto levantado pela leitora Rachel.
    Só posso é parabenizá-lo (dentro da minha humilde condição de aprendiz).
    Noutros blogs parecido, consultei seus autores sobre determinados assuntos dentro da teologia e nunca tive uma resposta.
    Acredito que de maneira nenhuma um autor desqualifica o nível de seu espaço e de sua proposta, quando indagado sobre algum assunto pertinente.
    Muito pelo contrário, creio que a erudição está a serviço da iluminação mental e espiritual.
    Portanto, um fraterno abraço, até breve.

    ResponderExcluir
  8. Estimado Antônio Lídio,
    Muito obrigado por suas palavras. Acho que esta cantina (assim costumo chamar este blog) é como aquelas cantinas pequenas e tradicionais. Todos que falam são ouvidos. E a conversa é o melhor tempero para qualquer prato.
    Visitei brevemente seu blog repleto de poesia. Não posso dizer outra coisa: melhorou meu dia!
    Um abraço fraterno,
    Cesar

    ResponderExcluir