terça-feira, 21 de junho de 2011

Saborosa Massa com cogumelos guarnecida por uma irresistível analogia com o Evangelho

Shiitake: fungo surpeendentemente saboroso e saudável

Sexta-feira, decidi cumprir algo que deveria ter feito no dia dos namorados: preparar um prato diferente para minha esposa e para mim. Como sempre, tinha que ser algo fácil. Mas também tinha que fazer valer a parte do "diferente". A solução: massa com cogumelos. Nunca antes eu havia preparado nada com cogumelos, esses simpáticos e nutritivos fungos avantajados, tolamente esquecidos pelos carnívoros e fielmente exaltados pelos vegetarianos.

Fechei a porta da cozinha enquanto ela estudava no computador. Então, ficamos a sós, uma bandeja de Shiitake e eu (Além do Vander Lee. Um prato com intento romântico solicitava uma música bem do gênero. E como não deixava de ser algo simplório, ninguém melhor que o grande cronista musical do simples cotidiano belo-horizontino). Pois bem, enquanto o Vander dedilhava "Esperando Aviões", "Românticos" e afins, eu enfrentei o meu dilema. Prepararia os cogumelos com molho de tomate, como sempre faço no caso de atum ou lombo? Mas se o fizesse, correria o risco de não deixá-los em evidência. Seria um desperdício, além de um retorno à mesmice. Mas sou louco por molho de tomate nas massas, gosto demais mesmo! E molho branco não me atrai tanto. Sabia que o certo seria deixar a massa meio sem molho, somente acompanhada dos ingredientes à mostra, com bastante azeite. Mas... Mas... Será que os cogumelos trariam o sabor necessário? Dizem os cogumelólatras que sim. Antes de contar minha decisão, apresento a analogia que subitamente me ocorreu:

Frequentemente, enfrentamos problema semelhante com respeito ao Evangelho. Ao apresentá-lo, o colocamos dentro de um molho de regras humanas, tradições, sabedorias e estratagemas, como se não confiássemos que, por si mesmo, ele possa produzir bons resultados. Duvidamos que o Evangelho tenha sabor suficiente. E, por vezes, esse molho que preparamos, em vez de valorizar o Evangelho, o deixa tão misturado entre outros ingredientes, que tira seu lugar de protagonista e o faz passar despercebido. Vã ilusão a nossa. A Boa Nova de Salvação é suficiente sim. A essa Boa Nova devem apontar todos os outros ingredientes. Ela precisa ser o centro de nosso discurso. E ela produzirá o efeito que tiver que produzir. Não nos envergonhemos do Evangelho. Deixe-mo-lo em evidência sempre!

Ainda na frigideira

Eu dei meu voto de confiança ao cogumelo (voltei à  conversa sobre cozinha, como você percebeu). Refogueio-o em azeite e acrescentei cebola em tirinhas. Depois, juntei salsinha e manjericão picados, além de molho de pimenta. Os tomates em cubinhos (sem sementes) vieram por último e apaguei o fogo imediatamente. Afinal, não queria que os tomates se desmanchassem, pois não queria um molho. Os cogumelos estariam à vista. Mais azeite  e tampei para abafar. Depois, misturei já nos pratos uma porção da massa com um tanto do refogado, mais azeite e queijo parmesão ralado.

O resultado? O shiitake é valente! Ficou muito bom! Minha esposa também gostou.

Talharim com Shiitake, guarnecido por brócolis japonês

 
***

Não usei todos os cogumelos no macarrão. Deixei dois guardados na geladeira. No sábado, meus pais nos convidaram para comer pão-de-queijo feito em casa. Na hora, tive uma ideia: preparar um molho de tomate picante com os cogumelos restantes para acompanhar os melhores pães-de-queijo do mundo. Ficou ótimo também! Voltando à analogia, confesso que vários elementos da tradição cristã me atraem muito por seu valor histórico, estético, didático etc. Não os desprezo, somente insisto que não devem jamais obscurecer o núcleo vital de nossa fé.
 
Inusitada e ótima combinação: pão-de-queijo e molho picante com cogumelos

Ah, e não é que meu pai, que achava estranha a ideia de comer fungos, gostou demais do negócio. "Parece carne, não é uma esponjinha não!", disse. Já minha mãe não provou, permanece irredutível. Mas isso só com o cogumelo. Graças a Deus, o Evangelho ela recebe de braços abertos.

Um abraço!
Cesar

P.S.: Você também, confie no poder do Evangelho e comprove as potencialidades dos fungos!

3 comentários:

  1. Olá Cesar

    Interessante a sua comida, como é importante homem ajudar na cozinha, o meu esposo sempre me ajuda. Que Deus continue te abençoando.

    ResponderExcluir
  2. Querido Cesar.Seu blog trata entre outras coisas de um assunto literalmente gostoso.Cozinhar é um dos meus hobbys prediletos.Poderíamos depois trocar algumas receitas.
    O amigo Eduardo esta solicitando sua presença lá no post.Um grande abraço meu amigo e tenha um ótimo feriado.Paz!

    ResponderExcluir
  3. Lucinalva,
    Seja muito, mas muito bem-vinda! Gosto muito de cozinhar, tanto que, no fim das contas, é minha esposa que me ajuda na cozinha, não o contrário. hehehe
    Um abraço fraterno!

    Anselmo,
    Opa! Que bom que você também gosta de cozinhar! Você poderia mesmo compartilhar uma receita aqui no blog... vou pensar em uma coluna com o título "Pastor também cozinha".
    Eu voltei lá no post e li... Depois vejo se escrevo mais. Por enquanto, vou ficar aqui na "cozinha", pois a coisa está mais tranquila que no "escritório".
    Um ótimo feriado pra você também!
    Bênçãos celestes para sua família.

    ResponderExcluir